Logo do MTST
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Tik Tok

Bolsonaro e a miséria humana

Por Guilherme Boulos

“Pela memória do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, o pavor de Dilma Rousseff, pelo exército de Caxias, pelas Forças Armadas, pelo Brasil acima de tudo e por Deus acima de tudo, o meu voto é sim”.

Assim o deputado Jair Messias Bolsonaro votou no último domingo pelo impeachment da presidente Dilma. Para os que não conhecem a história do país suas palavras podem passar desapercebidas em meio às centenas de votos deprimentes naquela várzea que se tornou a Câmara dos Deputados.  Mas não.

Carlos Alberto Brilhante Ustra foi o comandante do DOI-CODI – órgão de repressão da ditadura militar – entre 1970 e 74. Neste período é responsabilizado pelo assassinato de pelo menos 50 pessoas e pela tortura de outras tantas. Torturou e matou de forma atroz e covarde, sendo lembrado como um dos maiores carrascos da ditadura.

Torturou a militante política Amelinha Teles na presença de seus filhos, então com 4 e 5 anos de idade. “Ele levar meus filhos para uma sala, onde eu me encontrava na cadeira do dragão [instrumento de tortura utilizado na ditadura militar em que a pessoa era colocada sentada e sofria choques com fios elétricos atados em diversas partes do corpo], nua, vomitada, urinada… e ele leva meus filhos para dentro da sala? Para mim, foi a pior tortura que eu passei. Meus filhos tinham 5 e 4 anos”.

Torturou a irmã de Amelinha, Criméia de Almeida, grávida: “Apanhei muito e apanhei do comandante. Ele foi o primeiro a me torturar e me espancou até eu perder a consciência, sendo que era uma gestante bem barriguda. Eu estava no sétimo mês de gravidez”.

Torturou por mais de doze horas seguidas o ex-deputado Adriano Diogo, após matar seu colega, o estudante Alexandre Vannuchi Leme: “Tirou o capuz e falou: Acabei de mandar o Minhoca (apelido de Alexandre) para a Vanguarda Popular Celestial. Você vai ser o próximo”.

Torturou o vereador paulistano Gilberto Natalini: “Tiraram a minha roupa e me obrigaram a subir em duas latas. Conectaram fios ao meu corpo e me jogaram água com sal. Enquanto me dava choques, Ustra me batia com um cipó e gritava me pedindo informações”.

Torturou também a presidente Dilma Rousseff, de forma verdadeiramente pavorosa, com choques, pau de arara e arrancando seus dentes: “Era aquele negócio meio terreno baldio, não tinha nem muro direito. Eu entrei no pátio da Operação Bandeirante e começaram a gritar: ‘Mata!’, ‘Tira a roupa’, ‘Terrorista’,’Filha da puta’. Você vai ficar deformada e ninguém vai te querer. Ninguém sabe que você está aqui. Você vai virar um ‘presunto’ e ninguém vai saber…”, disse ele então à presidente.

Um deputado federal render, às vistas de toda a nação, homenagem a um torturador e assassino – como justificativa do voto contrário a uma pessoa por ele torturada – é uma perversidade inominável. É crime de apologia à tortura, como denunciou a OAB.

Numa cínica inversão de valores, o presidente da Câmara Eduardo Cunha fala em cassar o deputado Jean Wyllys, que, legitimamente enojado com os insultos de Bolsonaro, deferiu-lhe uma cusparada. Ora, o que foi a cusparada de Jean – que representou o desejo de milhões de brasileiros – perto dos elogios canalhas a Brilhante Ustra? Jean merece uma medalha e seguramente terá milhares em sua defesa. Bolsonaro merece o repúdio da sociedade e das instituições. Se as leis que protegem os direitos humanos valessem algo no Brasil, Bolsonaro teria saído da seção de domingo cassado e algemado.

Muitos são os que, nessa e em outras situações, preferem enxergar a ele como louco, um psicopata. Isso seria aboná-lo. Seria considerar também como loucos os milhares que o exaltam como “Bolsomito”, o 5% do eleitorado que o tem como seu candidato a presidente da República.

Ao exaltar torturadores, agredir minorias de forma covarde e conclamar à eliminação dos inimigos, Bolsonaro desperta a miséria humana. Aquilo que Kant chamou de mal radical e Freud de destrutividade da pulsão de morte.

Diz Freud, em  O Mal Estar na Civilização: “Sob circunstâncias propícias, quando estão ausentes forças contrárias que a inibem, a agressão se exterioriza espontaneamente, desmascara os seres humanos como bestas selvagens. Em consequência, o próximo representa uma tentação para satisfazer nele a agressão, escravizá-lo, usá-lo sexualmente sem seu consentimento, humilhá-lo, infligir-lhe dores, martirizá-lo, assassiná-lo”.

Este é o estado de espírito do torturador. É também o sentimento que Jair Bolsonaro desperta em seus “Bolsonetes”, criando uma verdadeira comunhão do ódio.

Pela memória de Alexandre Vannuchi Leme e de todos os mortos da ditadura; pela honra de Amelinha e de todos os torturados pela ditadura; por todos eles, é preciso cassar e punir o delinquente Jair Messias Bolsonaro.

 

Fonte: Coluna do Guilherme na Folha de São Paulo (22 de abril de 2016)